Governadora assina protocolo de intenções entre Governo e Banco do Brasil

Deixe um comentário

O objetivo do protocolo é analisar projetos viáveis para o financiamento de moradias e reduzir o déficit habitacional no Maranhão*

A governadora Roseana Sarney assinou, na manhã desta sexta-feira (23), no Salão de Atos do Palácio dos Leões, o protocolo de intenções entre Governo do Estado e Banco do Brasil (BB), para a análise de projetos viáveis dentro do programa Minha Casa Minha Vida, no Maranhão.

O evento contou com a presença do secretário de Estado de Cidades e Desenvolvimento Urbano, Pedro Fernandes; do superintendente estadual do Banco do Brasil, Maélcio Soares e de diretores do BB, o superintendente regional, Pio Gomes; e o gerente de Negócios, Varejo e Governo, Prênteci Veloso.

O objetivo do protocolo é analisar propostas para o financiamento de moradias populares, o que deve reduzir consideravelmente o déficit habitacional no estado. De acordo com Prênteci Veloso, o Banco do Brasil vem participando dos financiamentos do programa desde janeiro de 2012 – até então somente a Caixa Econômica Federal financiava o programa no Maranhão – e, a partir do segundo semestre, o BB também financiará imóveis rurais. Prênteci Veloso antecipou ainda que, os projetos serão essencialmente coletivos, enviados por construtoras em consonância com entes públicos.

Moradia

O superintendente estadual do Banco do Brasil, Maélcio Soares, assinalou durante o encontro que a perspectiva estabelecida pelo Ministério das Cidades é de que até 2014 no Maranhão, cerca de 53 mil unidades serão construídas por meio do Programa Minha Casa Minha Vida, e o Banco do Brasil está trabalhando com 30% dessa meta, ou seja, 15 mil unidades. Em parceria com
o Governo do Estado, o banco objetiva construir de 7 a 8 mil unidades.

Maélcio Soares detalhou o funcionamento da parceria estabelecida entre governo e o BB. “O Governo do Estado vai selecionar uma área, fazer o chamamento público, e a partir daí, nós vamos definir a quantidade de habitações a serem analisadas e os equipamentos públicos que estarão no entorno desses projetos. Nós acreditamos que dentro de 2 ou 3 meses estaremos anunciando o primeiro projeto em conjunto com o Governo do Estado”, assinalou.

Minha Casa Minha Vida

O secretário Pedro Fernandes destacou a relevância do acordo para o programa Minha Casa Minha Vida no estado. “O programa já é praticado aqui no Maranhão em parceria com a Caixa Econômica com grande sucesso. Agora nós fizemos um termo de adesão também com o Banco do Brasil, e vamos atuar tanto com a Caixa quanto com o Banco do Brasil. Nós temos uma carência muito grande, e estamos reunindo o máximo de parceiros e atores pra que possamos suprimir esse déficit habitacional”, ressaltou.

Pedro Fernandes falou ainda do papel do Governo do Estado a partir da assinatura do protocolo. “Estamos distribuindo algumas áreas, vamos doar essas áreas ao FA (Fundo de Amparo), e vamos fazer o chamamento público, para ver se dentro do nosso Plano Estadual de Habitação, nós conseguimos atingir a meta a ser cumprida”, finalizou.

Anúncios

BB desbanca Bradesco e leva Banco Postal

Deixe um comentário

Instituição paga R$ 2,30 bi para poder operar agências em parceria com os Correios a partir de janeiro de 2012

Governo usará parceria para ampliar os serviços bancários no interior do país; oferta do Bradesco foi de R$ 2,25 bilhões 

Folha de São Paulo

Em leilão que surpreendeu o mercado e até a presidente Dilma Rousseff, o Banco do Brasil desbancou o Bradesco e ganhou o direito de operar o Banco Postal, em parceria com os Correios.

O lance do Banco do Brasil foi de R$ 2,30 bilhões, valor muito superior aos R$ 200 milhões de quando o Bradesco ganhou o direito de ofertar serviços bancários nas agências dos Correios, em 2002.

Desde então, o Bradesco foi o único operador do Banco Postal. Teve 11 milhões de contas abertas nas unidades dos Correios, e um faturamento que em 2010 chegou a R$ 820 milhões.

Por ser um negócio atrativo, todos esperavam que o Bradesco iria cobrir qualquer oferta para manter o negócio.

O banco, aliás, concordou em tirar Roger Agnelli da presidência da Vale, em busca de apoio do governo em questões estratégicas como o Banco Postal.

Bradesco, governo federal e fundos de pensão são os maiores acionistas da Vale.

O Bradesco não quis se pronunciar sobre o resultado do leilão. O diretor de cartões do Banco do Brasil, Denilson Molina, limitou-se a afirmar que “estamos bastante satisfeitos com o resultado”.

O Banco do Brasil começará a trabalhar com o Banco Postal em 2 de janeiro do próximo ano. Ofertará serviços bancários básicos, como abertura de conta-corrente, saque e pagamento de benefícios do INSS.

BAIXA RENDA
O governo quer aproveitar a parceria dos Correios com um banco público para dar capilaridade aos serviços bancários no interior do país, ampliar sua atuação na baixa renda e alavancar projetos sociais, informou ontem o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

“O Banco Postal poderá criar mecanismos novos para atrair a baixa renda, como microcrédito, cartão”, disse Bernardo, depois do leilão.
O Banco Postal já tem perfil de baixa renda: 80% dos correntistas recebem até um salário mínimo por mês.

Até 2 de janeiro, o Banco do Brasil deverá pagar aos Correios, além dos R$ 2,3 bilhões, R$ 500 milhões referentes ao valor estimado das agências do Banco Postal.

Ao longo dos cinco anos de contrato, os Correios deverão receber pelo menos R$ 350 milhões pela participação nas tarifas cobradas.
Com esse dinheiro, o governo espera que os Correios invistam em melhorias nas agências, nos serviços, na informatização da instituição e na contratação de mais funcionários.

O leilão de ontem aconteceu em 12 rodadas, com Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Caixa Econômica no páreo.

Em seu último lance o Bradesco, segundo colocado, ofereceu R$ 2,25 bilhões.

O edital publicado pelo governo determina uma tabela de tarifas, entre elas R$ 28,08 para abertura de conta-corrente e poupança, R$ 1,40 para saque em conta-corrente e poupança, R$ 0,97 para consulta de saldo e R$ 1,44 para pagamento de benefícios do INSS.

Pedro Fernandes chama FAMEM para debate

Deixe um comentário

BRASÍLIA – O deputado Pedro Fernandes (PTB) Está buscando parceria com a Federação dos Municípios do Estado de Maranhão (FAMEM) e seu presidente Júnior Marreca para fortalecer um grande debate sobre segurança pública no Maranhão. O parlamentar e secretário de Cidades a partir do próximo dia 31, enviou um documento à FAMEM para dar início a esse trabalho.
 
Pedro Fernandes tem lutado para a instalação de agências bancárias nos diversos municípios que carecem desse serviço. “Minha concepção de desenvolvimento é estrada, energia e crédito e, sendo o crédito um desses pilares, precisamos dispor mais da capilaridade do Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Caixa Econômica Federal, Banco da Amazônia e Correios (correspondente bancário)”, afirma.
 
O parlamentar explica que está convocando a FAMEM porque seu trabalho vem esbarrando no quesito segurança pública. “Todos os Bancos, pricipalmente o BB, alegam que no interior do Estado do Maranhão há muita insegurança, muitos assaltos. Nós precisamos dar esta contrapartida”, explicou.

O documento foi enviado para todos os 217 prefeitos do Maranhão.

Anjo da Guarda pode ganhar agência do Banco do Brasil

3 Comentários

BRASÍLIA – O deputado Pedro Fernandes (PTB) enviou documento de indicação solicitando ao Ministério da Fazenda a abertura de uma agência do Banco do Brasil para o bairro do Anjo da Guarda, em São Luis.

Segundo o deputado, o Anjo da Guarda é o bairro mais importante da área Itaqui-Bacanca, sendo o bairro muito populoso. “O bairro está nas imediações do Porto do Itaqui, possui indústrias, como a Vale, a Votorantim a Petrobrás, dentre outras e está próximo à Universidade Federal do Maranhão, tem intenso comércio e uma relativa vida cultural”, justificou no documento.

Pedro Fernandes disse, ainda, que o Anjo da Guarda é ponto de atração de diversos bairros, como Vila Isabel, Sá Viana, Vila Nova, Alto da Esperança, Vila Ariri, Vila Mauro Fecury I, Mauro Fecury II, Vila São Luís, Vila Maranhão, Vila Embratel, Fumacê, Gapara e outros. “As pessoas que moram nesses bairros menores buscam os serviços básicos no Anjo da Guarda e, como não há agência bancária acabam por se deslocar ao Centro da cidade”, pontuou.

A Indicação é o instrumento legislativo aprovado pelo Plenário ou pela Mesa Diretora cuja finalidade é a de sugerir que outro órgão tome as providências que lhe sejam próprias. Nesse caso, por ser um documento oficial, o Ministério fica obrigado a dar uma resposta.